quarta-feira, 24 de abril de 2013

Sobre parto e assuntos relacionados

Dias atrás, em um grupo do qual participo, estávamos conversando sobre as experiências do parto, e os tipos de parto que tivemos, bem como nossas expectativas e depois como tudo aconteceu de fato. Daí meu comentário vou registrar aqui, pois acho que ainda não comentei dessa forma no blog, de como foi e como queria que tivesse sido meu parto.
Primeiro porque, logo após o parto estava sem internet, depois seguiu-se a depressão pós parto, e aí o assunto ficou no esquecimento...

Antes de mais nada, não tinha expectativas quanto ao parto. Li alguns artigos e depoimentos de mães que já haviam passado pela expericência, e decidi deixar rolar. Não queria marcar nada, não queria induzir nada, queria apenas que a Gá viesse no momento certo... Sabia dos prós e contras dos partos cesáreo, normal, natural (este último descartei a hipótese, por não poder pagar uma doula para acompanhar), mas não planejei, queria apenas que fosse um momento único...

"Não tive parto normal porque não tive dilatação. Mas também, não fiz um plano de parto, não me preparei para tudo isso. Li a respeito, e deixei rolar, achei que na hora teria mais poder para decidir, e acabei indo pra cesárea mesmo. Até hoje não sei, mas acho que poderia ter tido normal... eu estava com 1,5 cm de dilatação durante 1 semana, caiu meu tampão uma semana antes, quando estava com 36 semanas começou as contrações, passei a noite no hospital com contrações de minuto em minuto, fiquei no soro, as enfermeiras me diziam que aquelas contrações estavam longe de um TP ativo... fiquei cerca de 8 horas aguardando, e nada. Sabia que se ligasse para o meu GO ele iria fazer a cesárea na hora, e foi isso que aconteceu. Isabella não estava em sofrimento fetal, tudo estava bem, mas fui pra cesárea, porque "acharam" melhor... as enfermeiras me diziam para ligar pro meu médico,o marido também, o médico já pediu que me internassem para a cesárea antes mesmo de chegar ao hospital e ver meu estado... e na hora eu com dor, nem raciocinei direito, fui toda feliz, queria minha pequena! Pensei que, após me costurarem, ela viria ficar em meu seio pra todo o sempre, mas não!
A cesárea não foi ruim, tudo normal, senti nada, e depois da anestesia nada de dores terríveis e incapacitantes, fui muito bem tratada, o atendimento na maternidade foi 10, mas o que me deixou muito chateada foi o fato de me apagarem após o parto, Bella foi pro berçário logo que nasceu, de manhã e como estavam sem quarto disponível fiquei na recuperação anestésica. Fiquei apagadona (sedada) das 09:30 ás 14:45, que é quando comecei a acordar. Fui pro quarto ás 16:00 e só as 16:30 me trouxeram a Bella. Olha que tempo enorme fiquei longe dela! Hoje, lendo outros relatos vejo que foi desnecessário esse tempo que fiquei longe dela após o parto, essas primeiras horas são importantíssimas! Acho que o problema aconteceu com o anestesista, talvez ele pensou que eu gostaria de descançar depois das longas horas esperando pra Isabella nascer (aguardei cerca de 11 h, das 22:00 ás 09:00), mas não, eu queria tê-la comigo desde o primeiro momento, e não pensei que as coisas fossem ser dessa forma...
O que mais me chateou nisso tudo não foi o fato de não poder optar pelo meu direito de escolha, mas porque não recebi minha filha ao mundo como deveria ser. Ela chegou ao mundo e ficou longe de mim, aos cuidados de pessoas preparadas, claro, mas longe da única pessoa que ela conhecia, que era a mamãe. Esse sentimento de culpa por não ter evitado isso me acompanha hoje. Não é algo que me faça ser menos mãe, mas é algo que carrego comigo."

Para mim, o parto é algo natural, um momento de encontro, de festa. Mas sinto que o meu parecia mais uma separação dolorosa...

Independente do tipo de parto e de onde seja, que cada mãe possa fazer suas escolhas, possa ser orientada. Não é porque um profissional diz, que devemos creer que a verdade é absoluta.

É isso... O post tá parecendo "chorar sobre o leite derramado". Mas é para registrar mesmo.

9 comentários:

  1. Muitas mamães precisam se livrar da culpa por não terem tido o parto que gostariam. Esse sentimento de culpa não leva a nada...
    Beijos!

    www.asosmamaenadia.com

    ResponderExcluir
  2. A minha culpa é de não ter filmado e não ter exigido a presença do meu marido. Estava em extase e qndo me disseram q ele não poderia entrar aceitei sem retrucar.Hj sei que era direito meu ter ele ao meu lado. Do resto foi mais ou menos como o seu. Não planejei, só quis que fosse tudo muito tranquilo e que Isaac viesse qndo quisesse.

    ResponderExcluir
  3. Oi flor, me emocionei com seu relato.
    u nunca quis um parto normal, não me culpo por isso, mas também não incentivo ninguem a escolher a cesarea.
    Minha cesarea foi muito humana, toquei, beijei o Lucas assim que ele nasceu e quado cheguei no quarto ele ja estava me esperando para a primeira mamada. Depois disso eu dormi bastante, mas sempre quando acordava via que ele estava ali, e muitas vezes até em cima de mim que minha mãe o colocava.

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Na maioria das vezes, o assunto "tipo de parto" fica muito polarizado entre PN x Cesárea, quando o que tem que ser discutido na verdade é o direito da mulher ser informada de fato e, assim, escolher o seu parto sem terrorismo dos médicos. Quando o médico diz "vamos fazer cesárea" sem ao menos discutir com a gestante, mostrar os reais motivos, levar em consideração sua vontade, não é escolha, é coação. É se colocar acima da mulher no momento mais importante da vida dela.
    É muito estranho 90% das mulheres quererem PN, mas acabarem na cesárea. Veja, mais de 80% dos partos realizados via plano de saúde são cesarianas. Uma amiga minha tinha total condição de ter PN e queria, mas com medo, questionou o GO, que ao invés de incentivá-la começou a enumerar as esposas de GOs da cidade que tinham feito cesárea, como se dissesse: as esposas dos médicos fizeram, e elas são amadas por eles, portanto, é o procedimento mais seguro e você deve fazer também.
    Eu tive cesárea. Alice estava pélvica, mas não gostei do procedimento -embora no momento da cirurgia todos me trataram bem. É algo frio e muito longe daquilo que deveria ser, já que mãe e bebê estão conectados por nove meses. Hoje vejo que, mesmo que ela estivesse encaixada, eu cairia na cesárea de qualquer maneira pela minha falta de informação sobre o assunto e tudo o mais que circunda o setor obstétrico brasileiro.
    E sabe Clau, penso que a cesárea interfere no vínculo da mãe e do bebê. Por isso acho que PN, feito de forma humanizada - porque tb há casos horríveis de mulheres que passaram por este procedimento -, é algo maravilhoso pelo esforço feito tanto pela mulher, como pelo bebê. Eles trabalham juntos para o nascimento, para o encontro. Choro horrores quando assisto a vídeos e vejo o bebê indo direto nos braços da mãe, no peito. Disso eu sinto falta.
    Sobre a culpa, acho que vc não deve se punir. Veja que vc não tinha a bagagem que tem hoje. Se tiver um segundo e fizer cesárea, garanto que lutará para não haver esta separação. Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca quis ter parto natural.... quis cesarea e meu parto foi MARAVILHOSO! Não sinto nenhuma culpa... aliás, me lembro do dia com a maior alegria do mundo! Meu momento foi preservado, fui super bem tratada, minha pequena tb.. olha, amei! No segundo quero que aconteça exatamente igual!!!

    E discordo da amiga Ana Paula, mas são pontos de vistas distintos e devem ser respeitados. Não acho, em hipóteso alguma, que a cesárea interfere no vínculo mãe e filho... acho que mãe é mãe independente do tipo de parto.

    Devemos lutar sim para que nossa vontade, seja pelo PC ou pelo PN, seja respeitada... mas não acho que isso defie o vínculo e caráter da mãe!

    bjosss

    ResponderExcluir
  6. Amei os posts. Ainda não li tudo, mas estou curiosa.
    Ale

    ResponderExcluir
  7. Nossa Clau, que dó! Pra quê fazerem isso???
    Mas cá entre nós, difícil a mulher que tenha tido o parto que idealizava! Nunca sai como a gente espera... :( Eu por exemplo, não tive a chance de ter um acompanhante comigo (da Isadora, pq na cesárea do Vitor o pai dele e mais uma amiga minha estavam presentes), no momento q ela nasceu não me deixarem nem ver ela, nem sentir o cheirinho... só depois que saí da sala de cirurgia que eu vi ela no colo do meu marido... foi agoniante essa demora para ver o rostinho da minha princesa. Eles são muito "desumanos", sem sentimento nessa hora!
    Mas não leve essa culpa contigo, vc não merece se culpar! Afinal, é uma mãe maravilhosa!!!

    ResponderExcluir
  8. Meu parto foi cesária, mas o bebê ja ficou comigo na mesma hora. E em 20 minutos de vida, ele estava mamando lindo de viver!!

    Boa noite querida, adoro ler seu blog!
    http://principecaioandre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Eu nunca pensei em fazer PN, nem antes de engravidar, nem depois e não me envergonho disso. Eu penso que toda mulher deve ter o direito de escolher, com orientação médica é claro, de que forma quer que o seu filho venha ao mundo. E eu tive um parto cesário maravilhoso. Se senti dor, senti, mas nada do outro mundo.
    Conheci a Maria Luísa assim que ela nasceu e sai do centro cirúrgico com ela sob as minhas pernas. Na sala de recuperação já a colocaram para mamar e depois ela ficou comigo no quarto o tempo todo.
    É uma pena que ainda existam maternidades que fazem o tipo de procedimento que a sua fez. Essa não tem nem berçário, os bebês ficam com as mães nos quartos.

    ResponderExcluir

COMENTE!!! Deixe sua experiência, sua opnião, um "xero" pra nós!