quinta-feira, 27 de junho de 2013

Que você VIVA a infância, com toda sua inocência...

Gá,

Que você não tenha grandes preocupações em sua infância;
Que você não precise participar nem ouvir brigas entre seus pais (porque existem né?);
Que você não se sinta pressionada a fazer algo que não queira;
Que você não receba sobrecarga de tarefas (se eu fizer isso, converse comigo);
Que ninguém te desmoralize;
Que ninguém te desrespeite;
Que você não precise passar por nada realmente vergonhoso que possa ser provocado por mim (te amassar em público é amor, não vergonha!- isso se aplica à mamãe ein?);
Que você não se sinta coagida;
Que você não precise e não queira usar maquiagens ou cosméticos para adultos tão cedo, pois nessa fase ainda se é bonita naturalmente;
Que você curta suas músicas, filmes e desenhos infantis;
Que você não seja tão influenciada pela TV;
Que ninguém lhe traga informações sobre sexualidade antes da mamãe- pretendo fazer isso o mais cedo possível;
Que ninguém lhe toque intimamente, nunca deixe isso acontecer, e sempre me conte pois tomarei providências se preciso;
Que a violência não lhe atinja. Você vai ver e saber que ela existe, mas que Deus te livre disso;
Que você não precise trabalhar tão cedo por necessidade, mas que trabalhe para aprender alguns princípios;


Que sua infância seja completa, porque depois é duro Gá...kkkk

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Projeções para a Pequena

Não tem jeito, sempre vamos projetar em nossos filhos aquilo que talvez não realizamos... eu no caso, projeto o que realizei de melhor, o que mais foi relevante em minha vida, desejo à ela em dobro.
Na verdade, acho que foi válido tudo o que vivi, mas existem coisas que passam em minha mente e que acho que gostaria que ela vivesse, assim como foi comigo.

Espero mesmo (muito) que ela goste realmente de algo. Quando gostamos de algo (muito, muito), nos dedicamos e sempre rende bons frutos, além de nos deixar realizados. Espero que ela se realize em sua vida.

Percebi que ela gosta de dançar, é muito musical, como eu. Se ela desejar, espero colocar ela em aulas de dança, no que ela escolher (balé, Jazz, ou outra dança específica). Eu fiz, a acho que foi ótimo pra mim. Fiz apenas alguns meses, mas foi muito bom!

Se for desejo dela estudar numa universidade pública, estarei junto financiando toda a preparação pra isso. Comigo não foi assim, mas acho muito válido isso. Devemos apostar nos filhos que gostam de estudar.

Acho que essas são coisas que pensei até agora...

O que mais desejo de tudo isso é, que ela confie muito em mim e que sejamos ótimas amigas. Não pretendo podá-la em nada... já imaginei ela em situações bem diferentes e não consigo me imaginar arrancando os cabelos... acho que conseguiria sim apoiá-la. Sou muito aberta para o novo.



terça-feira, 25 de junho de 2013

Experimentando a vida Sozinha- Mãe órfão

Que mãe nunca sentiu saudade de um tempo que já passou?
Que mãe ainda não imaginou seu pequeno no futuro? (tá, essa é mais difícil, mas eu já). Já Imaginei a Gá dentro de uns anos, já imaginei como será quando ela não precisará de mim para quase nada mais... me dá saudade de quando ela já faz certas atividades sozinhas!

A cada nova conquista, que a gente vibra, se emociona, agradece à Deus; também nos deixa apreensivas.
Nos acostumamos com a dependência dos nossos pequenos, a ser o único ser disponíveis à eles 24 h por dia, todos os dias, nos doamos e nos entregamos à esse amor, e sabemos que, um dia, eles não precisarão mais de nós. Alguns mais afetivos ainda vão querer colo de mamãe até adultos, outros na puberdade já se intitulam donos do narizinhos de 10,11 anos. Confesso que pensar nisso, parece um pouco desagradável ao meu coração, pois até pouco tempo atrás havia uma necessidade constante de me doar à ela.

Eu sei que sentirei falta da Gá só querendo colo de mamãe... mas desejo e muito que ela seja o mais independente possível de mim. Existem coisas que quero ensinar e tento ensinar à ela agora, porque é a base de tudo, porque existem princípios que nós jamais nos desprendemos, são coisas que carregamos por toda a vida...
Mas desejo que ela tenha muita opinião, que seja firme em seus propósitos, que debata comigo assuntos dos quais não concorda, mas que saiba respeitar a opinião dos demais.
Se ela me consultar para saus decisões, ficaria honrada em opinar, mas desejo que ela decida por si só em suas escolhas. Quero que ela viva a vida da forma como ela deseja e como quer viver. Sei que muito influenciarei, porque a base de tudo veio de mim, mas que ela não se prenda ao que eu acho, e sim questione.

Gosto de deixa-la livre. Gosto de ir ao parque e deixa-la andar para onde queira, começar a brincar onde quiser, tomar a iniciativa. Gosto de ver ela fazendo suas escolhas. Não espero que ela sempre em olhe esperando minha aprovação para se decidir, quero que ela siga, que com o que ensinei à ela, dê segurança para seguir em frente.
Que ela seja firme em seus objetivos, decidida com suas escolhas.

Gá,
Eu sempre estarei olhando de pertinho o seu caminho, mesmo que não interfira, estou aqui para lhe receber quando queira. Que você faça ótimas escolhas na vida...

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Visita ao odontopediatra


No último sábado fomos pela primeira vez (tarde até) ao odontopediatra.
Ensaiei com a Isabella várias em casa e no caminho, que iríamos ao dentista, e ela deveria abrir o bocão, assim ó (fiz pra ela, ela repetiu em todas as vezes). Mas quem disse que ela mostrou os dentinhos pra Dra.?
Isabella parece têm um certo bloqueio com quem ela não conhece, é sempre assim, ela fica travadona e não quer participar de nada, não conversa, não coopera.
Aí foi a força mesmo...

Segunda a Dra., tudo bem com os dentinhos dela (sem cáries e sem manchas- como eu tinha medo disso), e que estou fazendo da forma correta: pasta sem flúor, quantidade mínima, escovação especialmente antes de dormir... pasta com flúor logo que aprender a cuspir... ainda comentei com ela, que graças às minhas amigas mães, tenho todas essas informações, valeu pessoal!!!

Ano que vêm, retornamos.

sábado, 22 de junho de 2013

Jantinha diferente

Na quinta feira, eu a Gá jantamos:

Polentinha quatro queijos

Fiz z polenta mole normal, quando estava quase pronta acrescentei mussarella, catupiry, gorgonzola e parmesão (esses 2 últimos em quantidade pequena). Ficou bem cremoso para ser servido com torradas... como os queijos já são salgados, nem acrescentei sal à polenta.

(Atenção: para bebês abaixo de dois anos recomendo só usar mussarella ou catupiry, os outros queijos são mais fortes... mesmo pra Bella coloco pouco deles...)


Bom final de semana!!!

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Crescer Dói

Dói, doeu em mim, ainda dói, cada dia que aprendo uma nova lição, provavelmente algo eu perdi, e dói.
Repito isso para mim, repito para a Gá.
Quando tento ensinar algo à ela, quero evitar a dor que ela sofrerá ao prender sozinha, mas tem coisas nessa vida que só aprendemos com a vivência mesmo, e quando mais cabeça dura somos, mais os conselhos são em vão, mais vamos transpor barreiras e mais risco de nos machucar teremos. E eu quero que a Gá corra os riscos, quero que consiga chegar até o final de suas escolhas, pra que, mesmo que não seja isso que queira, aprenda realmente que "isso não era pra ela".

Mas não é por isso que devemos transmitir medo, certo?
O medo é um aliado, ele nos faz pensar e analisar as situações, mas ele não será bom se nos paralisa. O mundo gira, a vida continua, e temos que fazer nossas escolhas, temos que agir.

Gá,
Que a cada dor que o crescimento traga, também lhe traga o aprendizado, e que este seja carregado por toda sua vida.


Um final de semana cheio de amor de mãe e filho pra vcs!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Atividade em Casa

Atividade para fixação dos números
Gá já conta até 10, e reconhece a maioria dos números... então fiz recortes deles pra agrupar e ajudar a fixar.
Ontem ela não estava muito a fim de brincar, chegou em casa amuadinha... paciência, outro dia tentamos...

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Lanchinho à noite

Nem todas as noites ando fazendo janta...
Essa semana um dia fizemos lanchinhos com pão amanhecido (tipo torrada) mas com azeite, queijo, presunto, tomate e orégano... hum...

Gá provando já no preparo...
Gá ajuda em tudo, ajudou no lanche, no suco, beliscou as frutas enquanto esperava tostar no forno.

terça-feira, 18 de junho de 2013

O que deixei de lado...

E deixaria outras mil vezes...

Estudos, carreira, ascensão profissional, etc....

Sempre gostei de estudar, mas hoje não consigo conciliar os estudos mais... sei que é possível, mas sinto que estaria perdendo ainda mais a vida passar... sei  quanto é importante estudar, para alavancar a carreira, para uma promoção, para uma nova oportunidade, mas, eu que sempre fui ambiciosa, sempre corri atrás disso, hoje não vejo porquê... não vejo perder minhas noites e finais de semana com a Gá.
Estou paralisada no tempo, sim, estou, mas estou fazendo as minhas escolhas. Não me imagino me arrependendo de me dedicar à minha filhota, ela vai embora um dia, sim vai, ela pode nunca valorizar o que fiz ou faço, sim, mas eu fiz escolhas por mim também, farei a diferença na vidinha dela, mesmo que ela não compreenda e não valorize.

Eu escolhi ser mãe, não acho justo agora decidir quantas horas a Isabella terá de mim por dia, o quanto eu puder me dedicar à ela, eu quero. Me sinto bem assim, não sinto como "sacrificante". Ela não merece uma mãe apenas aos domingos. Não é porque estou trazendo tudo de material que ela precisa que estarei sendo boa mãe. Quero ensinar à ela o valor das coisas, não seu preço. Que ela se acostume à coisas simples, mas que seja feliz assim, com tudo simples, o mínimo possível do consumismo.

Deixei a vida pessoal de lado também, deixei. Hoje minhas amizades são com mães, compartilhamos o mesmo sentimento e isso nos une. Meus passeios são familiares, se a Gá não pode ir, eu não vou. No começo foi difícil isso, mas depois  que aceitei, é um prazer agir assim. Adoro estar só com ela, é um prazer.

Vou confessar uma coisinha aqui pra vocês: morro de inveja das mamães que podem estar em casa acompanhando tudo! Se eu estivesse em casa, Bella estaria meio período na escola, e o tempo que ela estivesse lá cuidaria da casa e do restante, pra quem quando estivesse com ela tivesse tempo de qualidade juntas. No fundinho do meu coração, queria ter essa oportunidade...

Deixei muitas coisas, mudei muito do meu pensamento e cada dia estou vendo a maternidade de uma forma melhor. Ser mãe me modificou, como ser capitalista não, mas como pessoa humana. Muitas coisas perderam o valor para mim, e muitas outras agora tem um valor enorme!
Meu tempo com ela, nossas brincadeiras, estar em casa, ela estar saudável, se alimentar com comidinha feita em casa... têm muito mais valor hoje. Uma promoção no trabalho, formações novas, saber uma nova língua, por exemplo, não é algo que me satisfaz hoje como fazia antes, acho que é isso, mudou meu modo de pensar referente muita coisa.

Claro que admiro muito as mães que continuam sendo elas mesmas após a maternidade, mas fundir a minha vida à vida da Gá, me fez um bem enorme! Não conseguiria ser o que já fui um dia...


segunda-feira, 17 de junho de 2013

Gá Dançando na Escola

Gá na festa da escola ontem, dançando...
Era uma festa Junina das Nações, e a Bella foi representando o Perú:

video
Com a roupa ainda inteira saindo de casa

Com a Tia no sábado, assistindo desenhos (friiio)


A Tia Anna lendo pra Gá dormir... Tia Anna só tem 8 aninhos...

terça-feira, 11 de junho de 2013

Encontrando as Amigas..

Aniversário do Kaleb
Em maio ainda, fui ao aniversário do Kaleb, da Blogueira Michele Reis (já mencionei aqui).
E ela publicou essa foto das amigas mães com seus pequenos...

Como é bom esses encontros maternos... onde todas estão no mesmo barco, compartilhando das mesmas coisas... assim a gente se entende!

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Final de semana no parque

Isabella me acordou cedo no domingão, e após o café (bella só toma leite até hoje!) lá fomos nós para o parque ecológico, aproveitar a manhã...
Na gangorra (tava imitando as crianças maiores...kkk)

Ela ama cama elástica

Piscina de bolinhas

Andamos de trenzinho pela parque, vimos quatis, macacos, patos...

Gá com os Quatis, um deles subiu nela (medo!) pra pegar a banana que estava em sua mão. Ela não tem nada de medo... mas ficou um arranhãozinho na barriga... e outro deles aproveitou que estava olhando ela e pegou o restante da banana na minha mão!

Mais um pouco de parquinho, no balanço

Oficina de desenho

Almoço ao ar livre, na grama... será que a Gá gostou? (raro momento de foto sorrindo ein.... registrem isso). E ela gosta de comidinha de casa... se não levo, não come.

Á tarde fomos à casa da dinda, o coelho Damião a Gá adora!

Assistindo fórmula 1 comendo pipoca, com o pica pau

Ajudando no jardim


Vovó e vovô trouxeram vários penduricalhos pra ela, até que enfim ela deixou colocar chuquinhas no cabelo.
Nosso domingo foi uma delicinha!!!!
Boa semana à todas.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Mania de música e vício na fala

Lá em casa a gente inventa apelido pra tudo, musiquinha pra todo momento do dia...


Acho que a Bella já incorporou essa mania! Quando ela se refere à algum animal, objeto, momento, ela logo fala como na música, ou canta mesmo. Ela não fala só o animal, parece que a música é o sobrenome dele, que ela precisa falar...

SAPO:
Bella sempre fala: Sapo cululú (Sapo cururu, na beira do rio, quando o sapo canta...)

JACARÉ:
Ela diz: Jacalé com seu bocão! (O Jacaré com seu bocão- palavra cantada)

Tem mais... mas não me vêm na cabeça agora...

Bom final de semana!!!

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Como andamos educando...

Pois é né, deveria aqui contar à vocês quais métodos estou usando, o que têm dado certo e tal.
Mas não...
Só vim contar que não ando seguindo nenhum método, regra ou coisas assim com a Gá. Li bastante à respeito, troquei idéias com muitas mãezinhas, mas ainda não me decidi ou nunca me decidirei qual a melhor forma de educar.
Ás vezes penso que certas atitudes são muito pesadas ainda para a idade da Bella ( olha a mãe que acha que seu filho ainda é um bebê, será?), em outras penso que fórmulas não me farão educar melhor... acho que nem todos têm códigos de barras com a mesma receita.
Ás vezes sinto que ainda estou testando essa lance de maternar (me pego pensando: poxa, sou uma MÃE, forte isso!!!) ainda parece não ser verdade isso por uns segundos, depois vejo que é verdade mesmo...kkk.

Sou uma pessoa firme (me achava ao menos), mas acho que não tanto convincente, nem paciente. Sou do tipo de arregaço as mangas e não espero por ninguém, e talvez isso me atrapalhe como mãe. Pois educar exige paciência, respeito pelos limites do outro, e venho tentando exercer isso com a Gá.
Há meses já que ela me ajuda com a janta (separa os legumes, corta o alface com as mãos, etc...), me ajuda com o suco (coa, mexe, coloca açúcar). Tem vezes que TUDO cai no chão, é uma lameira só, mas eu não a perco a cabeça, é o aprendizado. Demoro o dobro do tempo nas tarefas em que ela participa, mas ao menos temos nosso momento do dia alí juntas.

Quando chega a parte das birras, mal criações, irritabilidade, difícil é conter a paciência. Nessa hora é que vêm a parte de frear ela e ensinar o que não pode, acalmá-la e explicar o erro, explicar o que espero dela (eu e o mundo né?).
Nessa horas, tenho usado a boa e velha conversa. Páro tudo, olha pra ela, e digo com a maior calma que eu conseguir (nem sempre) o que ela fez de errado, qual a consequência disso, peço que peça desculpas.
Olha, digo que em 70% das vezes parece que falo com a parede, ela parece que não escuta e continua com o comportamento, ás vezes insisto, ás vezes desisto (não deveria). Sei que tudo que faço surte algum efeito, nem mesmo que seja para aprender a mudar o método...
Mas não apliquei nenhum método para castigo ou para repreendê-la. Não a faço pensar num cantinho, não bati, não dei tapinha.
Não que eu ache errado algum desses métodos, consigo entender todos os lados das formas de educação e não julgo nenhuma mãe que o faz, porque o que funciona com um, pode não funcionar com outro, cada mãe sabe o filho que tem, ou a melhor forma. Mas enfim, eu ainda não consegui repreender de forma diferente do que já venho fazendo.
O castigo pretendo mesmo utilizar, e conforme ela for ficando mais velha, com certeza usarei. Hoje falo sério, mas sinto que  falta firmeza. Já comentei aqui que até meu cachorro ri da minha cara neh? Ele nem liga pra minhas ordens... poxa.

Mas o lance do instinto materno ( de educar para o bem) e de fazer o que seu coração manda deve funcionar na grande maioria. O que não funciona é querer tirar toda a dor e sofrimento do filho, para poupá-lo. A vida não irá poupar, não é verdade? E firmeza com amor o deixará mais seguro. Ao menos com as mamães, eles terão o amor em troca, na vida nem sempre.


E aí mamães, como têm sido o diálogo ou gritos de vocês?

terça-feira, 4 de junho de 2013

Gá RN... (foto para lembrar)

Bom, como rendeu o post anterior, segue para relembrar a Gá, no 1º mês de vida...


segunda-feira, 3 de junho de 2013

Acredita que sim, sinto saudades

Sabe aquela fase da sua vida super difícil e que você quer mais é que o tempo passe logo, para que talvez no futuro exista alguma esperança, alguma mudança, alguma melhora?

Triste eu admitir isso, mas essa minha fase foi logo após o parto. Nunca imaginei que não estaria pulando de alegria por estar em casa com minha pequena!
Isabella foi muito desejada, muito amada, desde o positivo, nos US, nos cardiotocos, na barriga, em cada mexidinha, no parto, nas dores, no nascimento, no nosso primeiro encontro... gravidez, parto, 1º semana, tudo foi tão perfeito, tão lindo!
Mas quando fomos pra casa, a coisa ficou punk. Depressão é coisa complicada mesmo, nem tudo podemos controlar. Pra quem nunca teve, difícil entender, e pra quem teve, difícil explicar.
Ninguém me contou que isso poderia acontecer... eu via algumas amigas relatarem momentos difíceis, mas outras também reclamavam bastante da gravidez e eu achei tão delícia, que pensei: bom, o pessoal exagera neh, porque se agora tá tudo ótimo, quando ela nascer aí é que melhora!

Mas o fato é que, se na época eu dizia que nunca, jamais ia querer passar por aquilo novamente, que foi tudo muito ruim e coisas desse tipo, hoje vejo o quanto deixei de aproveitar cada minutinho! Já me sentia culpada na ápoca, imaginem agora, sim, pois só se têm dimensão da coisa toda depois que a tempestade acaba.
Mesmo com esse problema, eu cuidava muito bem da Bella, mas emocionalmente eu não tinha forças para ser melhor, eu estava ali para as necessidades básicas, não fui uma mãe acalentadora, tão amorosa quanto sonhei.

Hoje sinto saudade! Saudade da minha RN... sei que tivemos períodos difícieis, independente da depressão que tive (ou atrelado à isso) Bella teve muitas cólicas, chorava bastante, não produzia leite suficiente (mesmo tomando remédios), secava logo que ela começava a sugar, por isso deixava ela sugando até não querer mais, mesmo assim entramos com complemento, que claro, não a deixou melhor, só aumentou as cólicas...
Mas tenho pra mim que esse comportamento dela era grande parte insegurança, medo. Eu deveria passar essa segurança à ela, mas provavelmente meu desespero à fez se sentir sozinha no mundo.
Como me sentia incapaz...  eu via problemas em tudo, me sentia sozinha, sentia que haviam roubado minha vida (ou eu mesma a doei e depois me arrependi?)... eram tatos pensamentos ruins que tornaram-se até pecados.

Mas realmente, o tempo é um bom amigo, tudo passou, melhorou, e passei a fazer o melhor de mim, mas não por obrigação, mas porque realmente o amor que me move. Fiquei bem 6/7 meses depois, e hoje só o que de bom existiu é que guardo em meu coração. Como amadureci, e como aprendi com tudo isso!

E a saudade de um RN em casa? Ha existe sim... hoje saberia lidar bem melhor com tudo. Mas minha saudade não tem jeito, porque é saudade da Gá RN, se o tempo voltasse (que viajem) poderia ter lhe transmitido mais amor. Bom, mas então deixa eu fazer isso agora pra compensar neh?

E nem adianta me perguntar do segundinho, porque não virá, ok? kkk.

E uma mensagem publicada hoje no Mamatraca, que achei demais! Só consegui maternar após entender isso...


Boa semana à todas.