sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O Tempo está correeeeeeendo!

Sou uma pessoa acelerada, não deixo para amanhã o que posso fazer hoje, espero que eu não deixe minha pequena GÁ ansiosa demais por causa disso...rs
Sou daquelas que o dia podia ter 26,30, 36 horas, e eu ia continuar correndo!
Mas procuro acelerar um pouco para depois curtir alguns momentos com a minha gatinha. Tem horas que é necessário desacelerar. Apenas para tocar, abraçar, conversar, brincar, ou não fazer nada, só observar essa lindeza de menina que é minha Gá.

Inevitável para mãe corujas não pensar em como o tempo corre, e como eles crescem, e em como vamos ficando órfãos.
Eu desejei tanto minha pequena, ela nasceu e me ensinou tantas coisas eu fiquei bem perdida nos primeiros meses, mas me achei e me tornei a mãe mais feliz do mundo, com a filha mais linda do mundo!
E aí ela completou 6 meses, e se antes seu contato se limitava à mamãe, ás vezes papai e Ozzy, bem mais distante avós, se estendeu à tias da escola, amiguinhos, pessoal da Van escolar... depois do primeiro aninho, com vínculos mais fortes além da mamãe, aprendendo mais a cada dia, ela vai entendendo como o mundo funciona, vai crescendo, se desenvolvendo e a mãe coruja vai sentindo saudade de tudo o que passou, porque foi bom demais, e já sentindo falta do tempo presente, pois imagina que, mais gostosa que essa fase, será difícil.

Essa fase é tão gostosa! Ela me abraça, beija, me chama. Estende os bracinhos pra vir no colo, de madrugada se acalma logo que pego no berço, dorme logo que coloco ao meu lado... amo esse serzinho como jamais sonhei, imaginei ou senti.
E ela está crescendo, e tenho um medo tremendo que ela deixe de me dar esses abraços e esses beijos, que eu amo.


Final de semana abençoado à todos nós!!!

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

As alegrias da infância da mamãe

Continuando na sessão nostalgia, quero falar sobre as minhas maiores alegrias na infância!

Gá,

Como já disse, tive uma infância bem diferente da tua.
Quero que saibas coisas que vivi, para que entendas os motivos pelos quais algumas vezes ajo de certa forma, pois a vida nos molda.

Vivi minha infância com muitas brincadeiras em turma. Quando morei em São Paulo amigos vinham até nossa casa e nós brincávamos de muitas coisas. Quando vivi no nordeste tínhamos a liberdade de estar na rua o dia todo, e inclusive à noite, soltos na cidade. Nessa ápoca ganhei minha primeira bicicleta, usada, mas foi felicidade sem fim, o modelo era este:

Não achei muito linda, mas sabia que era o que meu pai podia comprar.
Carregava meu irmão no guidão, e íamos pra todo canto. Nessa fase eu tinha 9/10 anos.
Pouco antes disso, aos 6 anos fiz balé e aos 8 fiz Jazz, gostei bem mais do jazz, pois tinham movimentos mais soltos, nos envolviamos pela música.

Sempre esperávamos ansiosos pelo dia das crianças, páscoa, natal e aniversário. Quase sempre ganhávamos alguma coisa nessas datas, se o pai não podia dar, a escola dava uma lembrancinhas, as tias... quando tinha 8 anos ganhei uma máquina de escrever do meu pai, e acho que foi um dos presentes mais emocionates para mim! Eu sonhava em trabalhar num escritório!
Modelo da máquina que ganhei
Alguns dos brinquedos que gostava:


Quando criança tomei banho de chuva, tão gostoso isso, espero que você também tenha a oportunidade.
Fazíamos muitos trabalhos escolares na casa de colegas, em geral uma vez a cada 15 dias havia um trabalho assim, e aproveitávamos para dar uma voltinha, brincar.
Brinquei com bicicleta, futebol, figurinhas (tazo) até meus 12,13 anos. Gostava de brincar com os meninos, que podia empurrar, zuar, e eles não se ofendiam nem arrumavam picuinha.
Nessa época eu frequentava a igreja, participava do grupo de jovens, ia a louvores, bem bacana.


Será que alguma parte disso tudo você viverá?
Espero que possa experimentar um pouco do que vivi.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Ganhou Aqui + Não consigo comentar alguns blogs

Primeiro, quero agradecer à ganhadora do sorteio cheirinho de bebê, Francisca (Minha Princesa Sophia) é uma ótima blogueira! Ganha, segue as regrinhas, agradece, posta o presente... um doce!
Aqui você confere seu blog e o presentinho nas mãos da gatíssima Sophia.

*****************
E agora, outro assunto que preciso comentar à mais de 1 mês: Não consigo comentar em blogs que tenham verificador de palavras... Tássia, Bruninha, e outros tantos que não me lembro agora. Faz 1 mês que tento, tento, e nada... acabo escrevendo um livro e não consigo postar.

Por favor, retirem esse verificador de palavrassssssssssss!!!! Adoro seguir vcs!

***********

E não disse que o post passado ia render muuuito? Acho que foi o mais comentado esse ano!


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O que vi de negativo na blogsfera materna

A vida de mãe blogueira me trouxe muita coisa boas. Aprendi muito, conheci muitas amigas, mães, tentantes. Todas envolvidas nesse sonho da maternidade.
Dividir o mesmo desejo e o mesmo sonho nos aproximou, nos fez desenvolver amizade, companheirismo, compreensão com os sentimentos alheios.

Mas existe o outro lado da moeda, o lado "negro" dessa rede de blogs maternos... E este post vai ser um daqueles polêmicos e odiados por alguns.

Mãe é um ser contraditório, temos inúmeros sentimentos dentro de nós, e se somos contrariadas aí é que a gente vira um vulcão em erupção!

Sentimento de culpa- mãe já nasce com culpa. Você engravida, e já tem a culpa por não estar se alimentando bem, por não ter tomado o ácido fólico 3 meses antes... aí nasce, a culpa aumenta, daí com o dia a dia só aumenta... daí você tenta desencanar, mas desencana coisa nenhuma, só se sente culpada por seu filho não mamar no seio, não aceitar a mamadeira, não comer direito, ser birrento, não dormir direito...
Mas sabe o que vejo? Mães que estão off line parecem carregar bem menos culpa por tudo isso. Expor nossa vida em um blog, dividir nossas angústias, nossas conquistas, tem um preço. E o preço que pagamos é:
  • a cobrança- dos demais, suas próprias
  • a concorrência- parece que estamos disputando algo, só não entendi o que
  • a incompreeensão- todas são mães, ou têm esse desejo. Mas ás vezes parecem não compreender a situação da outra. Voltamos naquele tópico de que só entende quem passa por algo igual.
Quando dizemos que a culpa é algo que toda mãe carrega, que é inevitável, isso é bem mais comum em mães blogueiras e envolvidas em redes sociais, pode apostar!
Eu não convivo com sogra, mãe, tias, cunhadas, nada desse tipo, então ninguém me cobra por nada. O pai me cobra, mas ele não sabe o que é ser mãe, então não tem muito crédito.
Muitas mães levantam bandeira para determinados assuntos e são bem radicais, defendendo seu ponto de vista. Assuntos muito comentados, atacados e sofríveis são: amamentação e parto. Cada mulher faz escolhas ou ás vezes não, e sempre estará fora dos padrões corretos, porque nem todas temos a mesma opnião.

Digo que as mães off não carregam toda essa culpa porque ninguém está diretamente ligado à elas como estamos aqui na blogsfera. Eu sou assídua, amo minhas amigas seguidoras, gosto até dos comentários maldosos anônimos (algum motivo teve pra isso), mas claro que me chateio com algumas coisas, pessoas, opniões, mas sou madura o suficiente para filtrar a analisar os motivos alheios.
Já vi muitas amizades sendo desfeitas, por causa de opniões diferentes... não entendo porque algumas pessoas não aceitam outras formas de pensar, de agir.
Os blogs e demais mães nos ajudam, mas também influenciam muito nossas vidas. Porque parte de nossa opnião está na pesquisa que fazemos, nos casos que acompanhamos. Há pessoas que se influenciam muito mais que outras, e algumas entram numa verdadeira "neura" para entrar nos padrões corretos que as novas mães naturebas ou seja lá o que sejam denominadas, criam como os "novos mandamentos das mães atuais".


Inveja- Existe bastante viu... mas nem sempre a inveja traz coisas ruins. Eu mesmo tenho certas invejas dasamigas por algumas questões, mas nem por isso desejo nada de mal para elas... muito pelo contrario, ao vê-las bem me animo para seguir em frente.
Ex: Eu gosto muito de trabalhar fora, mesmo que em período integral. Mas preciso confessar que tenho invejinha das mães que podem ficar em casa, que têm um marido que supre toda a necessidade financeira, e que apóia sua decisão, que pagam até diarista para elas poderem ser "mães em tempo integral". Que podem inclusive viajar nas férias só com a remuneração do marido... essa realidade não é para mim. Mas nem por isso vou deixar de ser feliz e se alegrar com a conquista alheia, neh? Mas em alguns casos, essa mesma mãe pensa: " como a Cláudia tem coragem de enviar a filha dela pra escola por um período de 12 horas no dia? coitada da Bella.." E aí preciso aqui me justificar que faço isso porque preciso, que meu coração fica apertado, que coisa e coisa mais... mas além de necessário, foi a escolha que fizemos. Poderia eu ficar em casa com a Bella, mas aí teríamos que nos mudar para o sítio do meu avô, viver do que plantar, sem plano de saúde, e outros confortos da vida.
Olha aí eu entrando na neurose...rsrsrs
Mas me policio, porque antes o blog fazer bem à minha vida e da Bella, do que mal neh?

Vejo minhas amigas/colegas não blogueiras, que estão fora das redes sociais, que se ligam muito menos nesses sentimentos que nos atrapalham ser a mãe que queremos ser, naturalmente. A natureza nos ensina a ser mãe, e nós tentamos ser o melhor possível, nem que pra isso tenhamos que ter a cosnciência pesada 24h por dia.
As mães off estão saindo à noite, com seus maridos. As mães off trabalham, estudam à noite, e ainda aos finais de semana tem outras atividades, ás vezes nem vêem os filhos, e nem por isso carregam a culpa.
As mães off viajam sem seus filhos, ou seus filhos viajam sem elas (com parentes, amigos). As mães off não estão preocupadas em retirar a chupeta antes dos 5 anos, dão açúcar desde os 2,3 meses, se a criança não almoça/janta, dá uma mamadeira e pronto. Eu olho torto pra muita coisa, mas percebi que antes de me envolver nesse mundo materno eu acharia bem normal coisas assim.
Não acho que essas mães estão corretas, se agem mal... só acho que elas estão sendo as mães que querem ser, sem pressão, sem culpa.
Eu sinto a pressão da blogsfera, mas mesmo indo contra alguns, mesmo tendo uma opnião diferente sobre certas coisas, eu exponho como penso. Somos diferentes mesmo, e isso faz com que cada família tenha seus conceitos e convições, é isso que faz o mundo ter diversidade.


Expus aqui o que vi na bogsfera que talvez seja negativo, ou não seja legal. Mas como mencionei, hà muita coisa boa, e amo isso tudo!

O que vocês acham amigas?

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Para relaxar

Como comentei num post na semana passada, Bella estava bem estressadinha, chata, birrenta.
O comportamento que era mais evidente comigo, cessou no decorrer dos dias, ela continua teimando, fazendo birra, mas o normal para a idade, e agora não é uma guerra declarada á mamãe (ufa!). Ela até voltou a me abraçar e beijar o tempo todo, brincamos muito juntas, ela ri a beça das palhaçadas que faço.

À cerca de um mês ela deixou de tomar banho de imersão/banheira para tomar banho no chuveiro, isso foi uma medida preventiva devido às várias infecções urinárias que ela vinha apresentando. Mas sei que ela gosta muito de banho de imersão morninho, ajuda a relaxar, é bem gostoso neh?
A banheira não foi mais usada mesmo, mas voltei a usar o balde:


Ela com seu tatati tatatá (é assim que ela fala...)
Primeiro dou o banho rápido no chuveiro, para limpar direitinho as mãos, pés, partes íntimas, e depois coloco na água morninha no balde. Ela tem adorado...
Voltei a usar porque assim ela relaxa, quem sabe dorme melhor, e não sei se por isso, tem estado mais tranquila. Mas ainda acorda à noite, agora por causa de tosse. Samanta, busquei o Aipo e não achei amiga, aí segui a dica da enfermeira Érica, um xarope de abacaxi, hortelã e mel, comecei a dar ontem à noite.


Minha dica culinária e receita nova

Bom, eu cozinho, mas porque preciso, então melhor tentar fazer desse momento um prazer e prazer maior ao comer neh?
Ainda faço comida separada para a Isabella, porque ela não curte arroz e feijão ainda, mas ás vezes tento uma receita diferente para que nós duas possamos nos deliciar.

Primeiro a dica (talvez muitas já façam isso, mas pra mim foi novidade):
O que tenho feito e tem sido muito bom é comprar certos legumes e vegetais congelados. Somos uma família pequena, não fazemos todas as refeições em casa e leguminosas envelhecem rápido. Comprei brócolis e ervilha fresca congelados, e já utilizei em 3 receitas diferentes, e ainda tem no congelador. Prático, rápido, econômico (paguei 3,00 em cada -300 grs- e usei por 1 mês) e saudável, porque congelado ele mantém as propriedades.

Agora a receitinha de batatas ao forno: Inventei essa receita ontem, faço muito no olho, sem medidas, tentei criar as medidas usadas:


Ingredientes:
2 batatas grandes em rodelas
2 colheres de farinha de trigo
2 colheres de molho de tomate
2 colheres de água
1 copo grande de leite
1 colher de requeijão
3 fatias de mussarella
Cebola e bacon picadinhos
Um pouco de ervilhas frescas e brócolis (um punhado) com sal

Cozinhei a batata com sal por pouco tempo, até ficar ao dente.
Rofoguei numa panela à parte a cebola e o bacon no azeite, acrescentei o molho de tomate, a água, o requeijão, o leite e a farinha. Acrescentei a mussarella, a ervilha e o brócolis picado.
Num refratário pequeno untei com azeite, coloquei a batata e por cima o molho. Levei ao forno com papel alumínio por 20 minutos, e está pronto. Para comer com arroz branco e uma saladinha!

O sal só coloquei nos legumes mesmo, nem coloquei no molho. Pode colocar queijo ralado, mas achei que ficaria forte pra Bella...
Esse final de semana farei uma lasanha de abobrinha, se der certo volto aqui pra contar.

Bom final de semana!!!!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Educação financeira: Vêm de berço!

Eu tive uma educaçao financeira bem rígida acho que já comentei aqui, e graças ao meu papis mão-de-vaca, me tornei uma controlada mesmo! rsrs.
Eu sou muito feliz pela educação financeira que tive, sou controlada, não sou consumista, nunca me enrolei com dívidas (mesmo não tendo uma situação financeira confortável).
Sempre tive em mente que eu deveria gastar menos do que ganho, e por isso sempre tive aqueles trocados paras as emergências do dia-a-dia. Não me programar significa estresse, pois odeio não estar no controle das minhas finanças.

Quero passar isso para a Isabella. Pretendo dar mesada à ela, desde quando começar a saber contar o dinheiro. Quero ensiná-la a administrar seu dinheiro, recebendo um valor fixo, e sabendo distribuí-lo no decorrer do mês. Quero ensiná-la a poupar.


Encontrei esse artigo do Banco Central do Brasil bem esclarecedor! Vejam:


Educação Financeira para crianças

No começo
Quando as crianças ainda são pequenas, na faixa dos três anos, os pais precisam explicar, de maneira muito tênue, que existem coisas que compramos porque “precisamos”, e coisas que compramos porque “queremos”. Apresentar essas duas possibilidades chama a atenção dos pequenos para a existência de uma diferença entre elas.
Ao levar o filho a um supermercado ou padaria, um despretensioso comentário sobre “como a bolacha está mais cara” ou o “leite está mais barato” também pode ajudar. A princípio a criança não vai entender, mas vai começar a prestar atenção no significado, e mais para frente vai entender que o uso do dinheiro exige racionalidade.
Com essas atitudes, a criança começa a assimilar que existem categorias do tipo “querer e precisar”, “caro e barato”, sobre as quais refletimos antes de consumir. Outra dica é apresentar as moedas e depois as cédulas, mostrar os desenhos, os itens de segurança, explicar que não se pode rasgar ou molhar.

Semanada e mesada
Apesar de ser um excelente método de educação financeira, os pais que decidem dar mesada devem saber que essa tarefa dá trabalho. Exige o cumprimento de regras e prazos, além de muito sangue-frio.
O objetivo é que a criança consiga distribuir seu dinheiro dentro de um determinado período de tempo, controlando quando e com o que vai gastar. A mesada não pode ser instrumento de premiação por boas notas, status ante os coleguinhas, e muito menos castigo, quando os pais decidem punir a criança suspendendo a entrega por um tempo. A data de recebimento também deve ser cumprida rigorosamente: os pais devem lembrar que a intenção é fazer com que os filhos aprendam a se organizar sozinhos. Atrasos e alterações na quantia inutilizam todo o processo.

Valores
Quando a criança tem entre seis e dez anos, Cássia D’Aquino aconselha que seja dada a semanada, para controlar melhor o dinheiro, e também o impulso de gastar. Neste primeiro momento, a especialista sugere que a criança ganhe um real por ano de vida, por semana. Se o pequeno tem seis anos, recebe seis reais por semana.
A mesada pode ser aplicada a partir dos 11 anos, e o valor deve ser discutido entre os pais. O ideal é que a quantia contemple a necessidade real da criança: o excesso de dinheiro faz com que ela não se sinta obrigada a planejar a distribuição durante o mês.
Se a mesada não cabe no orçamento familiar, o melhor é não dar nada. A pouca quantidade também atrapalha a organização da criança durante o mês, além de poder causar constrangimentos. “Fazer de conta que está dando é um engano que só traz prejuízo a todos os envolvidos”, avisa D’Aquino.

Poupança
A poupança é outro benefício que a instituição da mesada traz para a educação financeira dos pequenos. Ela estimula a criança a encontrar objetivos para esse dinheiro, e ainda ensina como suportar a espera. Até os cinco anos, eles podem fazer “micropoupanças”, juntando dinheiro por algumas semanas para comprar um brinquedo barato, ou qualquer coisa de baixo valor.
Quando estão um pouco mais velhos, depois dos 11 anos, os pais podem incentivar a poupança de uma parte da mesada por mês. O mais importante é o estímulo à capacidade de esperar, e à possibilidade de fazer escolhas com o dinheiro guardado.
Por mais difícil que seja para os pais, deixar os filhos livres para gastar o que recebem também é um excelente exercício de educação financeira. Depois de “falirem” algumas vezes, vão aprender que o controle é essencial para quem não quer chegar ao final do mês sem nada. No treino dessas escolhas financeiras é que as crianças vão poder cometer erros e se arrepender destes erros. Desse modo, ao chegarem à vida adulta, vão ter mais sabedoria e responsabilidade nas escolhas financeiras.


Na íntegra, aqui

********

Bella continua com uma tosse pesada à duas semanas já, o antialérgico foi dado até ontem...
Alguma receitinha caseira para melhorar isso?

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Dia da Pizza na casa da Gá

O papai sempre foi aficcionado por pizza, o conheci entre conversas no MSN onde ele me dizia que estava comendo uma pizza inteira...sozinho.
Desde que nos casamos se tornou hábito 1 vez por semana a noite da pizza. E a noite foi instituída ás terças-feiras pois é o dia de promoção na pizzaria do bairro: qualquer pizza do cardápio à um valor fixo. Então Bella, desde que nasceu, vive nesse universo em que toda terça-feira tem pizza em casa. Ela passou a provar aos 7,8 meses e a comer mesmo após 1 aninho.
E ela adora!
Ela adora quando o interfone toca, anunciando a chegada dela. Quando entramos em casa com a caixa de pizza, é aquela festa. Abrimos a pizza no sofá e os três (quando Bella lembra, dá ao Ozzy tb) nos deliciamos com a pizza direto na caixa mesmo, com as mãos. Acompanhado de suco de frutas (ao menos algo saudável).
Bella come em média meia fatia, suas pizzas preferidas são: Frango c/ mussarella e Peito de peru com mussarella. Já comprei de mussarella com brócolis, só por causa dela, pois para nós quanto mais engordativa, melhor...rsrs

Enfim, o dia da Pizza é um evento lá em casa, onde nos reunimos para comer algo bem gostoso!

Anciosissíma!!! (reparem no Ozzy no canto esquerdo, ele sempre fica no pé dela pois sabe que sempre cai algo)


O primeiro pedaço é de quem?



Mamãe, não quero fotos, me dá já meu pedaço!!!!
A gente come como canibais mesmo, direto na caixa, com as mãos. Essa é uma das partes que a Bella adora!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

As brincadeiras da Gá + Reunião na escolinha

Bella têm gostado de brincar de coisas novas nos últimos meses.
Quando bebê ela queria colheres, copos, controle remoto, celular.
Agora ela já gosta (ama) os ursinhos e as bonecas.....
Anda pra lá e pra cá agarrada neles


Essa boneca veio de Pernambuco pra ela!

Arrumando a comidinha da Boneca


tô boneca (e tb dá pro Ozzy)

***************

Reunião de Pais- Setembro 2012

No último sábado fui à reunião de pais da escola da Gá.
Queria saber como estava a alimentação dela na escola, e seu comportamento.
Quanto à alimentação, ela ainda come amassadinho na escola (como em casa), come todas as refeições, mas sempre em quatidade abaixo da média das crianças. Lá eles ofertam fruta 2x ao dia, assim como faço em casa.

Por falar em fruta, nós devemos enviar toda segunda-feira frutas para a escola. Eu envio uma sacola cheia para toda a semana: melão, mamão, manga, goiaba, maçã, pêra, bananas, ás vezes vario com pêssego, carambola, kiwi. Sempre pensei que enviava pra escola inteira, e estou mesmo certa. Enquanto envio essa sacola toda, muitas mães chegam na segunda de mãos abanando (Não levam NADA) e outras enviam 1 única fruta, essa semana vi entrar uma sacolinha com 1 mamão! A criança vai passar a semana toda com apenas 1 mamão?
É que as mães pensam: "já pago a escola, envio leite, envio fraldas, ainda tenho que mandar frutas?" Mas isso envolve nosso filho, não sei como alguém pensa assim... Eu envio sim, porque antes alimentar todo mundo e minha pequena comer a frutinha, do que ela passar a semana toda sem frutas... fica pesado pra mim enviar tudo isso (pesado no bolso e pesado pra carregar tb), mas é alimentação da minha gatinha, faço questão de enviar sim.
Ha pára neh... se eu posso pagar 600,00 de escolinha, não posso gastar 10,00 por semana com algumas frutas? É o que eu penso, nem todos podem concordar...

Ela não toma banho na escola, por causa do risco da infecção urinária, mas a tia comentou que ás vezes ela vê todos se trocando e só ela com a mesma roupinha, por isso todos os dias a tia troca sua roupa, penteia seu cabelo, limpa com lencinho, pra ela se sentir bem.
Ela está mesmo teimosa e birrenta, mas a tia disse ser normal, e quando ela faz algo que não deve fica é mais carinhosa com a tia, para comepensar o erro. Fica se encostando nela... em mim é o contrário, ela bate, arranha, fica bem nervosa.
A mensalidade aumentou cerca de 15%, quase caí pra trás quando vi o aumento... além disso em 2013 ela começa a usar uniforme, tem os materias escolares... mas estou satisfeita com a escola, e não acho que o valor seja abusivo, eu é que fico apertada para pagar.
Pediram para colocar o nome em TODOS os pertences dela... nem sei como farei isso... especialmente nas roupas e meias...
Terá um evento de dia das crianças e outro de final de ano, festa de encerramento. Eu sempre participo deles, acho importante essa integração com a escola.
A reunião foi basicamente isso.


segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Parceria Baby Rogers

Olha que Kit bacana!!!


Avaliação da Gá
Recebemos os produtos Baby Rogers à 1 mês atrás, e estamos testando.
A fralda é confortável e não marcou as pernas da Bella, boa para usar durante o dia.
Amei os lenços humedecidos, eles funcionam bem, limpam direitinho, e usei apenas 2 lencinhos para cada troca de fralda.
O shampoo e condicionador ainda vamos testar, mas têm fragância muito gostosa, acho que a Bella vai gostar.

E ganhamos um kit para sorteio no blog, mas conversei com o pessoal da Baby Rogers para presentear uma amiga gestante, que está desempregada e precisando bastante de uma ajuda. E presenteamos ela com o 2º kit neste último sábado:


Regiane gestante no 5º mês, e a Bella nem quis soltar os lencinhos, foi na base do choro!


A barriga dela nem aparece direito!


Conheçam mais a Baby Rogers

Obrigada Baby Rogers!!!

sábado, 15 de setembro de 2012

2 anos do positivo!

Hoje faz 2 anos que fiz o teste de farmácia, o confirme, de manhã logo que acordei.
Coloquei a fita no teste e pensei:
"Primeiro mês de tentativas, claro que não estou grávida neh? 2 dias de atraso menstrual, normal, sem AC atrasa mesmo...
Mas, melhor fazer o teste e tirar a dúvida neh?"

E nem esperei o término dos minutos estipulados, em menos de 1 minuto estava lá uma listrinha clara.
Você confere a emoção desse momento aqui

À partir daí nasceu a mamãe Cláudia, mamãe da Isabella.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Lar seguro, bebê protegido e mamãe tranquila!

Á partir do momento que descobrimos a gravidez, já é interessante pensar nas mudanças no lar para receber o novo bebê que está por vir. Muito mais que arrumar um quartinho lindo, devemos nos atentar para deixar todos os ambientes seguros para a chegada de um bebê.

Linda essa introdução, mas para ser sincera, lá em casa pouca coisa foi feita até hoje! O que fiz ainda grávida foi a colocação de rede nas janelas, já que moro em apto, e agora que toma banho de chuveiro um tapetinho antiderrapante.
Devemos vasculhar a casa em busca dos possíveis riscos e extingui-los (dificil em muitos casos) ou ao menos neutralizá-los. Preciso mudar muitas coisas em minha casa para deixar um ambiente mais seguro para a Gá, pois acidentes acontecem em 0000000,1 segundos.

Alguns pontos que merecem a devida atenção e que vou transformar em minha casa:

- Sacolas plásticas fora de alcance- as sacolinhas plásticas ficam em um armário baixo, e a Bella sempre tem acesso á elas, inclusive abre o armário e retira elas de lá direto.
- Ferramentas do papai- Ficam em ponto acessível à ela, em geral adora uma chave de fenda!
- Tomadas- as tomadas estão escondidadas atrás de móveis, mas tendo em vista que ela já arrasta cadeiras, melhor colocar protetores
- Armário de doces- não é necessariamente um perigo, mas está atrapalhando esses doces na altura que ela alcança, ela já foi buscar purulito de manhã, e como não dei, nem quis o teté.
- Produtos de limpeza- Tenho um armário alto na lavanderia, que a antiga dona havia feito porque tb tinha crianças, mas não cabe tudo lá e deixo no chão o amaciante e a cândida (olha o perigo), preciso mesmo tirar do chão isso!
- Gaveta de talheres- Bella ainda não consegue puxar essa gaveta, ela é bem pesada, mas está na altura dela, então logo mais terá acesso. Preciso tirar as facas de lá! Garfos tb são perigosos.

Encontrei esse folheto sobre prevenção de acidentes em casa bem interessante. Eles são da Criança Segura, uma organização sem fins lucrativos, qualificada como OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - que tem como missão promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes de até 14 anos.







E aí mamãe, já modificaram suas casas para o bebês?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Bebê com raiva da Mamãe?

Ontem à noite levei a Bella ao PS, pois está com bastante secreção na face e estava ouvindo ela ronronar (parecendo um gatinho), fiquei com medo de ter algo no pulmão.

O Médico examinou e pulmão, ouvidos e garganta, tudo normal.
Passou antialérgico e salsep.

Mas achei que ela estava incomodada com ouvido, ou garganta, pois desde domingo está com o comportamento estranho. Final de semana viajamos, não sei se te ligação.

Bella sempre foi sossegada, tem episódios de birra, claro, mas no geral é uma criança calma. Desde domingo ela tem estado muito nervosa, chora muito, me bate, me empurra, enfia as unhas nos meus braços e pernas. Percebi que ela têm feito isso somente comigo, com o pai e com o Ozzy ela está agindo normal. Na escola e na Van escolar me garantiram que o comportamento dela está normal. Inclusive, quando chega à escola ela ri muito, faz festa, até dancinha ela fez hoje.
Quando estou com ela na rua ela fica tranquila, sem problemas. Quando estamos sozinhas é que a birra incontrolável e a furia dela dão as caras.
Não fiz nada de diferente com ela, não estou entendendo que acontece. Quando pergunto à ela se está tudo bem, o que está acontecendo ela faz bico, resmunga, chora... às vezes até me bate.
À noite ela acorda muitas vezes e chora, se tira do berço chora, se deixa chora, se leva para minha cama, chora. Essa noite ela chorou por muito tempo, ficou soluçando depois, e eu fiquei sem saber que atitude tomar.
Ela faz coisas que sabem que é errado, para me irritar ou me testar, não sei... ela resga papeis com raiva olhando pra mim...
Estou com saudades dos abraços dela, dos carinhos, do dengo. Até semana passada ela me abraçava tanto, era tão gostoso! Tudo era mamãe, colinho, chamego, tanta demonstração de amor. Corria pros meus braços, me apertava, beijava. Saudades da minha menininha moleka mas carinhosa...


Desculpem a imagem, mas é essa impressão que tenho quando ela olha pra mim nos últimos dias...

Vou tirar meu tempo em casa pra ficar com ela, só com ela, dar atenção em tempo integral, mas não sei exatamente como agir. Espero que seja uma fase que passe. Imagine como uma mãe se sente ao perceber a raiva do próprio filho?
Será que esse comportamento é falta de limites? Será que estou muito permissiva? Será que ela quer mais a minha atenção?
Mamãe carente mode-on! E preocupada com minha gatinha.

Blogagem Coletiva: Quanto mais amor melhor

Houve uma convocação para uma blogagem coletiva sobre o respeito com os sentimentos de cada bebê e criança.
Tudo isso surgiu devido uma reportagem na TV, onde mães expunham que deixavam os filhos chorarem até cansar, e que elas não tinham disposição para acalentar e ninar porque estavam "cansadas". E também houve uma discursão sobre uma postagem sobre dar um tapa em seu filho.

Eu sou uma mãe que trabalha em período integral, saio cedo de casa, volto quando já escureceu. Preciso fazer o jantar, dar atenção para minha pequena. Preciso fazer todo o serviço doméstico, não tenho ao menos uma diarista. Preciso estudar, me atualizar (o mercado de trabalho pede isso), preciso ser esposa, filha, irmã, amiga. Preciso checar se os bebês das mães amigas estão melhores, se está tudo bem. E mesmo depois de tudo isso, nas madugadas sou eu, EU mesma quem acalento e cuido da minha pequena. Se ela precisar de mim por toda a noite, e se eu virar a noite e tiver que ir trabalhar sem dormir, eu vou. Eu ESCOLHI ser mãe, escolhi estar nessa situação agora.
Entendo que cada criança é única e umas ficam sem dormir uma noite por semana e outras ficam todas as noites. Entendo que existem mães estressadas, cansadas, assim como tem dias em que eu mesma fico, e acabo tendo atitudes que julgo erradas, mas que não consigo sustentar pelo cansaço, como quando preciso acalmá-la em seu próprio berço e acabo levando-a para minha cama.
Mas o fato é que, uma criança não vai chorar toda a noite sem motivos. Nós temos carências amorosas, as crianças também as têm. Como podemos ignorar um choro, que pode ser contido num abraço, numa canção para dormir, uns tapinhas no bumbum pra acalmar.
Educar é muito difícil, e educar da melhor forma é bem mais difícil.
Confesso que nos primeiros meses da Bella quase endoidei, ela chorou muito, era bem insugura, teve muitas cólicas. Procurava ficar acalentando ela durante todo o dia, mas houve vezes em que deixei ela por poucos minutos no carrinho chorando, para atender alguma necessidade básica minha (ir ao banheiro no caso). Isso me consumiu muito, mas entendia que ela precisava de mim. Era o único mecanismo que comunicação que ela tinha, ela não estava bem, eu também não, mas não me arrependo nem 1 minuto de tê-la em meus braços dia e noite.
Deveríamos sentir um profundo respeito e reconhecimento ao choro dos bebês, e pensar humildemente que não choram porque são “manhosos". Eles precisam de nós.
Muitas vezes escuto pessoas dizerem que ganharam qualidade de vida e horas de sono com o treinamento de bebês (deixá-los chorando até aprenderem a adormecer sozinhos), sei que as pessoas não fazem por mal, mas muitas vezes por desconhecer as implicâncias desses métodos em longo prazo para as crianças, o quanto psicogicamente isso pode afetá-las, mexendo com seus neurônios, causando estresse, problemas neurológicos, problemas na fala, etc... Eu já li métodos assim, pensei em segui-los, mas não me pareceu o melhor a fazer.
Eu não vou entrar em detalhes nesse assunto, pois pesquisei apenas para chegar à minha opnião pessoal, não me aprofundei. Mas hoje penso que, nossos bebês crescem tão rápido, porquê querer a independência deles tão cedo? Depois sentiremos falta de toda essa atenção dada à eles, todo a acalanto, toda as horas de sono perdidas... pois esse sono perdido valeu e vale muito á pena, desde que meu filho cresça saudável e seguro de si.
Cheguei nessa opnião após a experiência materna, antes de ser mãe não tinha isso em mente. Espero que muitas mães reflitam sobre isso.
Quando um recém nascido aprende em um berçario que é inútil gritar, está sofrendo sua primeira experiência de submissão e abandono. (Michel Odent)

E quanto ao fato de educar com carinho, super concordo. Acho que devemos ter a paciência para não perder a linha, porque difícil uma mãe que não deu ou pensou em dar um tapinha! Tem horas que tentamos de tudo, e nada parece funcionar. O que devemos nos atentar nesse ponto, é o seguinte: ás vezes exageramos nas broncas porque nesse dia estamos sem paciencia e nervosas, e isso se reflete na criança. E outros dias eles podem deitar e rolar que vamos aguentar o tranco numa boa, sem perder a linha. Nós, como mães e educadoras devemos nos policiar para avaliar como devemos educar, até onde podemos chegar.
Não vou ser hipócrita de falar que nunca darei um tapa na Isabella, porque isso já me passou pela mente, mas ainda não achei necessário. Mas devemos sempre refletir sobre isso, e não dar tapinhas por impulso. Assim estaremos seguindo nossa convicção pessoal.













terça-feira, 11 de setembro de 2012

Dica para Coriza, secreção nasal- Óleo Essencial

Achei a dica no blog da Dri, Aprendendo com o Theo.
Já havia lido que ela tinha um produto muito bom para os dias de gripe, coriza, nariz entupido... mas era importado, e eu não tinha acesso para comprar. Mas ela me veio com essa dica maravilhosa, e eu corri para comprar.
É um óleo essencial de eucalipto. Para quem se interressar à comprar, precisa ser o óleo puro. Pois muitos vendem como essência, e aí não possui as propriedades necessárias.

O óleo de eucalipto tem três variações:

  • Eucalipto Citriodora
    Eucalyptus citriodora- Dores reumáticas. Tônico geral. Descongestiona vias respiratórias. Antisséptico, bactericida. Repele insetos.
  • Eucalipto Glóbulus - Eucalyptus globulus- Expectorante e descongestionante, combate sinusite, catarro e dor de garganta. Febre e dor muscular. Cansaço mental. Limpa o ambiente e renova a energia.
  • Eucalipto Staigeriana- Eucalyptus staigeriana- Relaxante dos nervos, expectorante, revigorante. Dores musculares. Aroma suave e cítrico. Limpa o ambiente.

Escolhi o Glóbulos, pelas propriedades mais voltadas à parte respiratória (a Bella sempre tem secreção na face, como sinusite).
E estamos testanto, começamos essa noite.
Usei 2 gotas no inalador com soro (poderia ter colocado 1 gota só) e fiz banho de imersão com 3 gotinhas na água.
Não acho muito agradável o Eucalipto, mas fez um bom efeito, inclusive em mim (tb estou com coriza).
Por isso, recomendo o óleo essencial!

************************
Isabella está manhosa, chatinha.

Não tomou o leite de manhã, jogava a mamadeira longe, se jogava no chão e fazia manha... dei bisnaguinha com requeijão e ela jogou longe. Arranhou minha perna, meu braço... pegou papel higiênico e ficou rasgando na minha frente, olhando pra minha cara, de prepósito. Não quis assistir barney, desligou a TV.
Ficava andando pra lá e pra cá resmungando. Á noite acorda umas 5 vezes resmungando.
Na hora de sair não quis ir pra porta, ficou remungando no canto da sala. Levei ela no colo. Quando saiu ficou normal, na Van escolar foi normal.
Na escola disseram que ela está normal, comportamento normal. Perece que é só comigo.

Vi que o ouvido direito dela estava com muuuita cera, e eu limpei domingo e não tava assim.
Tirei muita cera, nunca vi tão sujo o ouvidinho dela.


Mas espero que não esteja com dor.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Praia (primeira vez) + Final de semana

Feriadão! Previsão do tempo boa.
Oportunidade master para levar a Bella na praia pela primeira vez, já que ela não conhecia.
Sabia que ela iria adorar o mar, adora água, sabia que não teria medo.

Na sexta cedo acordamos atrasados... era pra sair de madrugada, par não pegar trânsito, mas saímos por volta das 08:00am. Fomos em direção ao litoral norte, para Riviera de São Lourenço (Betioga). No caminho: Trânsito. Bella tomou leite e comeu frutas no caminho, alguns minutos depois: chama o juca.
Tadinha, no trânsito, passando mal... pensei em voltar. Mas ela acabou adormecendo e fomos em frente.
Quando pregamos a serra esfriou, normal, na serra é assim, mas quando chegamos ao litoral estava toooodo nubrado e frio, bem diferente do que imaginei.
Mesmo assim levei ela na praia, havia prometido que levaria. Paramos num shopping pra dar almoço para ela, ela comeu bem, estava ótima.
Quando coloquei seus pezinhos na areia, logo na entrada da praia, ela gritou de alegria. Apontava para o mar e: olá, olá, olá!
Foi andando em direção ao mar maravilhada. Me emocionei ao vê-la tão animada, me realizei alí. Mesmo no frio, mesmo sem sol algum, ela estava muito feliz. Brincou na areia, mas o que queria mesmo era a água. Quando levamos ela a água foi o auge: gritava de alegria, sorria muito, amou a água (mesmo gelada). Entrou na água até a altura dos joelhos, mas molhou até a barriguinha. Depois de 1 hora e pouco que estávamos lá achei melhor secá-la, colocar um moletom e ir embora. Estava muito gelado.
Fomos para o litoral sul e no sábado de manhã estava um sol maravilhoso, levamos ela na praia mais uma vez, e foi uma festa. Dessa vez deixei ela entrar mesmo na água, de barriginha e tudo, ela amou. Mas mesmo com sol, bateu o queixo de frio e ficamos pouco tempo.
Os poucos registros desse passeio:

Feliz, feliz com a terra (antes e conhecer a água) Depois que foi pra água só queria ela!



Olha que tempo feio e nublado (na sexta), sábado melhorou


Essa galinha existe de todas as formas! Esse é um pirulito de marshmellow

Amou o parquinho do shopping de Riviera (di grátis)



Eu correndo atrás (parquinho para maiores de 3 anos)


Bem cansada na volta


Fim do dia de sábado, na volta. Obrigado Senhor pelo dia maravilhoso!

Ela passou o final de semana com uma tosse carregada, mas se alimentando bem. Ficou toda marcadinha por picadas de pernilongo...
Ontem (domingo) acordou enjoadinha, algo está incomodando ela. Essa noite dormiu mal, acordou diversas vezes...

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

A Tecnologia na infância da Mamãe

Quero deixar registrado pra Gá ler, parte do que foi minha infância. Sei que muitas mamães viveram o que vivi, e vão se identificar com o post.

Gá,

Quando mamãe era criança muita coisa era diferente de quando você nasceu, e com certeza ainda mais diferente agora que você lê este post.
Acredito que fomos crianças muito felizes, apesar dos poucos recursos, apesar da tecnologia ainda estar começando a deslanchar.
Quando a mamis era criança as TV's eram grande caixas que exibiam imagens não muito nítidas, tínhamos cerca de 9 canais disponíveis, e só. Fui da época em que haviam muitos programas de auditório infantis: Mara maravilha, Xuxa, Eliana. Os desenhos que assistia o rato corria e zoava com o gato (Tom e Jerry), alguns jovens iam num mundo distante e imaginário (caverna do dragão). Os desenhos de hoje não são apenas entretenimento, sempre tem uma mensagem para passar, ensinam, educam. Mas a babá eletrônica, a TV também piorou bastante.


TV que tínhamos em casa, 1 só TV para todos
 Quando mamãe era criança não possuía acesso à internet, ninguém da minha família tinha acesso à isso, era algo sendo criado ainda. Não tínhamos telefone em casa em meus primeiros anos de vida, na quela época as linhas de telefone fixo eram alugadas, à preços que o vovô não podia pagar. Nosso primeiro telefone fixo chegou em casa quando eu tinha 8/9 anos de idade, e lembro-me que custou R$ 1.000,00. Quando o telefone tocava, todos corriam para atender, porque era muito emocionante aquilo em casa, já que não tínhamos antes. Quando precisávamos ligar para alguém usávamos os orelhões, em geral ligava do orelhão da minha rua (os créditos eram fichas, como no fliperama) para outro orelhão na rua de quem precisava falar, e aí os vizinhos chamavam quem a gente procurava.



Aliás, quando criança conhecíamos muitos vizinhos na rua, diferente de hoje, em que cada um se tranca em casa e se isola do mundo através da internet. Se isola do mundo de perto, para se unir a um mundo mais longe...
Celular é algo que já existia, mas era algo muito grande, como um tijolo... poucos tinham era caro. O primeiro celular comprado em minha casa foi meu pai quem comprou, um celular usado, trambolho, que ela usou umas 3x eu acho, era muito caro as ligações de celular, gastava-se uns R$ 10,00 por poucos minutos. O primeiro celular novo na família fui eu que comprei, aos 18 anos. Naquela época celular bacana era: quando menor, melhor. Hoje voltou os ceculares grandes, por causa das inúmeras funcionalidades que foram acrescidas à eles.

Meu primeiro celular












Nossa máquina de fotos só conseguia tirar um total de 36 fotos. Eram filmes que colocávamos na máquina (de 12,24 ou 36 poses) e tirávamos as fotos, levávamos para um local específico para revelar, depois de revelar é que conseguíamos ver o resultado das fotos, algumas queimavam, ás vezes o filme inteiro queimava e não sobrava foto alguma!

Lembro-me que não tínhamos forno microondas em casa, compramos quando tinha 11/12 anos, antes disso tudo era feito no fogão mesmo, inclusive esquentar comida. A tecnologia trouxe também praticidade.
A vida em que vivíamos ainda era bem confortável, tendo em vista que na casa de seus bisavós (no nordeste) quando mamãe era criança ainda não havia energia elétrica, água encanada. Banho: de rio, lavar a roupa: no rio. Lá dormiam cedo, escurecia e todo mundo já ia se aquetando, porque antes do sol sair já estavam de pé, para aproveitar a luz do sol.

Isso foi o que lembrei da infância, em termos de tecnologia... quero voltar para falar mais sobre o que vivi, para partilhar com a Gá.

Ótimo feriado e final de semana!!!!! Até segunda!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Marcamos o Nefrologista: infecções urinárias

Conseguimos marcar a consulta com o nefrologista pediátrico para verificar alguma anormalidade no sistema urinário da Bella.
Demorei à conseguir pois a pediatra indicou o instituto do Rim aqui em São Paulo, que é referência, e é muito concorrido. Ela nos disse que outro nefro não iria adiantar... (eles não investigam bem).
Está marcado para 28/09.
Conforme havia dito, ela indicou porque a Bella teve 3 infecões urinárias já, mesmo eu tomando muitos cuidados quanto à isso. A Pediatra disse que se for algo nos rins é mais complicado, se for contaminação externa é mais fácil tratar.

Tenho tomado os seguintes cuidados:

  • Trocas de fraldas frequentes
  • Banho de banheira foi banido, só no chuveiro
  • Logo que faz cocô, é banho, assim limpa direitinho
  • Comprei dermacid infantil (não sei se é antibacteriano como o de adulto)
  • Ela não toma banho na escola, só em casa. Fiquei com medo de contaminação
  • Evito pomadas antiassaduras. Se assar, coloco fraldinha de pano pra melhorar (e melhora viu?) ou uso a pomada em último caso
E hoje encontrei um texto na revista crescer, que fala de uma das possíveis causas de infecções urinárias por repetição (o refluxo do xixi), segue:

"Todos possuímos uma espécie de válvula anatômica que faz com que a urina que vem dos rins, siga pelos ureteres e desemboque na bexiga. Mas, quando esta válvula não funciona direito, o xixi acaba voltando pelo caminho de onde veio, e acaba se depositando nos ureteres e também nos rins, causando o refluxo. Com isso, e com o tempo, as bactérias presentes na urina podem causar o que os médicos chamam de infecções urinárias de repetição. Além da gravidade de cada infecção urinária, está o fato de que, até os 5 anos, essas infecções podem causar cicatrizes nos rins, comprometendo o funcionamento e a anatomia deste órgão de forma irreversível. Por isso, se seu filho tem infecções urinárias com frequência, é importante procurar por um especialista, o nefropediatra (que é o nefrologista infantil), para investigar os motivos."
Na íntegra, aqui.

Espero que a gente descubra a causa, ou que não seja nada e ela não volte a ter infecções!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Ciúmes Materno

Qual mãe coruja nunca sentiu isso?
Nunca sentiu ciúmes da sua cria?

É natural, e alguns dizem ser até saudável ter ciúmes (de acordo com nossa cultura, ter ciúmes faz parte de amar), mas quando em excesso sofre quem tem o ciúmes e sofre quem é o alvo deste.

Pensei sobre isso quando deixei a Bella na escola cedinho, a tia preferida dela veio buscá-la no portão da escola, e ela já abriu o sorrisão, estendeu os braços e foi... nem olhou para trás para dar o thauzinho pra mamãe. Essa cena me deixa triste e muito feliz: Triste porque vi que não sou tão indispensável para ela e feliz porque sei que ela fica bem na escola, está habituada, acostumada, e gosta da tia. Fico feliz porque ela está bem lá, e isso me faz trabalhar mais tranquila.
Mas dá ciuminho sim! Tem mamães que simplesmente não aguentam isso e tiram as crianças da escola, por puro ciúmes mesmo. Acabam arrumando outras desculpas e tiram da escolinha. Ser mãe é ser feliz por nossos filhos, e nossos caprichos são deixados de lado. Renunciamos nosso ciúme e nossa dor (Ó, que dramático) para vê-los bem, e isso é o que importa.

Além do ciúmes da tia da escola, há o ciúmes da vovó. Ha, a vovó! Cuida tão bem, faz todas as vontades, por isso colinho de vovó é tão bom! Eu particularmente não tenho ciúmes da vovó, nos vemos 1 vez por semana ou olhe lá e a Bella não é tão próxima à ela, mas sei que muitas mães passam por isso.

Ciúmes do papai- muitos pais são verdadeiros pães (pai+mãe), cuidam muito bem de suas crias, dividem as tarefas com a mamãe, levantam à noite, dão banho, trocam fralda, dão comida, FAZEM a comida. E a mamãe não é tão indispensável assim. Algumas mamães vivem isso, e imagino que deve mesmo dar ciúmes, quando eles querem colo do papai ao seu.
Eu não vivi isso, inclusive quando a Bella acorda a noite é só a mamãe que ela quer.

Ciúmes do pessoal em geral- Meu primeiro episódio de ciúmes foi quando uma amiga minha teimou que ela ia cortar as unhas da Bella na primeira semana, pegou ela no colo e queria ficar com ela. Eu não gostei nada nada, pois eu queria cuidar da minha cria, eu queria estar com ela, sentí um ciúmes que meu Deus, acho que até fui chata com ela...rsrs

E fico imaginando os ciúmes que vou sentir: das amiguinhas, do namorado... mas com o tempo a gente ai deixando nossos filhos pertencerem ao mundo e vamos nos acostumando neh? (me digam que vou me acostumar à tudo isso!!!!)

Segue o vídeo que me corrói de ciúmes (bella me chamando de Tia...)

video
Estou escrota nessa vídeo, só publico pela Gá mesmo...


E aí mamães, rola esse ciuminho aí?

********

Só pra constar: final de semana foi ótimo, fizemos piquenique no domingo no parque, Bella pegou bastante sol, ficou vermelhinha, dormiu por 2 horas à tarde, de tão cansada que estava. Está com secreção na face mais uma vez, nariz entupido... mas está bem.
Boa semana à todos!